hISTÓRIA

Nasce o Clube Nutico Marclio Dias

A idéia dos três amigos, Gabriel Collares, Victor Emmanoel Miranda e Alyrio Gandra de fundar um clube náutico em Itajaí foi concretizada no ano de 1919. Em reunião realizada na Sociedade Guarany, na noite de 19 de março - que contou com a presença de mais de 80 pessoas - foi fundado o Clube Náutico Marcílio Dias. O nome foi aprovado por aclamação, em homenagem ao bravo marinheiro gaúcho morto na Guerra do Paraguai. Somente após a descoberta da ata de fundação é que foi averiguado que a data correta em que o “Marinheiro” nasceu, era 17 de março de 1919. Com a recente descoberta, o clube agora passa a comemorar seu aniversário oficialmente em 17 de março. O Marcílio foi o quarto clube náutico a ser fundado no Estado. Antes do Rubro-Anil existiam apenas Riachuelo, Martinelli e Aldo Luz. O primeiro presidente foi o jornalista Mascarenhas Passos, que no dia 16 de abril de 1919 enviou através de uma carta ao Governador do Estado, Dr. Hercílio Luz, a comunicação da criação do clube:

“Cumprimos o grato dever de levar ao conhecimento de Vossa Ex. que no dia 17 de março próximo findo foi fundado nesta cidade o Club Náutico Marcílio Dias, cujos fins são proporcionar à mocidade exercícios de natação, remo, gymnastica, tênnis e outras diversões compatíveis com sua cultura physica”.

O Remo como início

A primeira atividade do novo clube foi o remo.O Marcílio Dias comprou duas yoles – embarcações pequenas usadas na prática de remo – que levaram os nomes de Yara e Yarê. Uma briga para a definição das madrinhas das embarcações acabou afastando alguns membros do clube, que então criaram o Barroso, maior adversário da história do Marcílio Dias.

Em pouco tempo, as atividades desportivas do clube foram sendo ampliadas. Foram incorporados water-polo, natação,atletismo, tênis, vôleiball, basketball, futebol de salão e, por fim, o futebol de campo. Além das atividades desportivas, o Marcílio organizou do começo da década de 20 até a década de 30 um grupo teatral amador, apresentando mais de 45 peças.

Seu nome,suas cores

O nome do clube foi levantado na primeira reunião, no dia 17 de março de 1919 e aprovado por unanimidade. O bravo marinheiro Marcílio Dias, que lutou na batalha naval do Riachuelo.

As cores marcilistas – rubro-anil – serviram de homenagem a dois grandes clubes náuticos da capital de Santa Catarina: Riachuelo (azul) e Martineli(vermelho), os quais serviram de inspiração aos jovens itajaienses na fundação do Marcílio Dias.

Os esportes no clube

O Marcílio Dias começou como clube náutico, participando de regatas com suas yoles. Porém, não demorou muito para que novas modalidades fossem incorporadas ao clube, principalmente depois da inauguração da Praça de Esportes Dr. Hercílio Luz, em 1921.

No remo, realizou sua primeira regata no dia 19 de julho de 1919. As embarcações “Yarê” e “Yara” se revezaram nas vitórias das duas primeiras provas disputadas, em homenagem às torcedoras e à municipalidade, respectivamente. Poucos meses antes, em maio, o clube inaugurou o seu galpão na rua Fluvial (hoje avenida Eugênio Muller).

No ano seguinte, em 1920, o Marcílio Dias ampliou seus horizontes e inaugurou um posto náutico na cidade de Blumenau. Em 28 de março, uma delegação de marcilistas viajou de trem até Blumenau para participar da inauguração. O clube Rubro-Anil chegou ao título estadual de remo em 1925.

Outra prática desportiva em que o Marcílio Dias se destacou foi o tênis. Homens e mulheres começaram a praticar o esporte sob as cores marcilistas já em 1919. Sua primeira competição interestadual foi em 5 de outubro de 1919, contra o Brusquense, na cidade de Brusque. Ao todo, o clube venceu oito campeonatos de tênis, além de diversas taças e troféus.

No water-pólo o “Marinheiro” foi o precursor em Santa Catarina, introduzindo a modalidade em 1920. Outro esporte aquático praticado foi a natação. O basquete teve sua primeira quadra inaugurada em 1921. Foram madrinhas do campo as senhoritas Dolores Polumbo, Diva Bornhausen e Grecelides Almeida. O primeiro jogo foi disputado por dois times femininos: o azul e o vermelho.

O futebol de salão também já foi praticado por atletas do Marcílio Dias, assim como o atletismo e a ginástica. Todos estes esportes foram se extinguindo com o passar do tempo. Hoje, somente o futebol de campo é disputado. Porém, a diretoria pensa em voltar com as competições de remo e futebol de salão em um futuro próximo.

Uma paixão chamada futebol

Apesar de formar times de foot-ball (como o esporte era chamado na época) desde o ano de sua fundação, como registram jornais de Itajaí como “O Commercio”, o esporte só se profissionalizou no Marcílio Dias em 25 de setembro de 1926. A partir daí, o Marcílio Dias começou a se destacar em nível estadual por suas equipes de futebol.

Já nos anos de 29 e 30 o “Marinheiro” atingiu um feito: 24 vitórias consecutivas. Em 1930 o Marcílio conquistou seu primeiro vice-campeonato catarinense (de uma série de oito), ficando atrás apenas do Avaí. A colocação das duas equipes se repetiu em 1944.

Na final do campeonato, o primeiro jogo foi realizado em Navegantes, pois o estádio Hercílio Luz passava por reformas. O Avaí venceu por um a zero. Na segunda partida, o time da capital venceu por 4 a 3. Na época, o Governador do Estado, Celso Ramos, era também presidente do Avaí.

Na década de 60 o Marcílio Dias se tornou uma das maiores potências do Sul do país. De 1960 a 1962 amargurou mais três vice-campeonatos estaduais, perdendo para o Metropol, de Criciúma, nas finais. O mesmo se repetiu em 1967.